rvf, software e mitos

Estimando imprevistos em ciclos ágeis

Posted on: 8 de março de 2009

Antes de falar sobre este assunto, vamos lembrar o significado da palavra ignorância, que não necessariamente significa que o ignorante é BURRO, pois este problema se cura com a informação, mas o pior ignorante é aquele que boicota sugestões, opiniões, etc. Ao pé da letra, ignora a informação.

Estimativas de itens no processo de desenvolvimento de software, costumam ser algo que não se tem receita definida, senão a própria experiência do desenvolvedor. Metodologias ágeis introduzem algumas orientações para se fazer isso, mas ainda assim não há mágica, a métrica normalmente vem da média anterior x complexidade de cada caso –e da competência de cada um-.

Estimar bugs não faz parte do cotidiano do desenvolvedor moderno, do homem sem defeitos. O problema é que muitos esquecem que são seres humanos, e que certamente, terão que alterar casos de uso, discutir com o analista de negócios, cliente, refatorar, testar e refatorar novamente item por item, bug por bug. E, sim, imprevistos irão aparecer, e eles devem ser considerados dentro da iteração.

Mas como eu vou estimar algo que não é certo que vai aparecer? O segundo parágrafo responde novamente esta questão. O importante aqui é: Sim, você deve considerar o tempo gasto com imprevistos dentro do seu item. Nem que considerar este tempo signifique separar tempo para prever a criação de uma nova estória para um futuro conserto em uma futura iteração, mas isso valerá com base no que você espera entregar ao fim da iteração, e normalmente algo indefinido/com defeito não faz parte deste plano. Lembrem-se: estimativas andam lado a lado com o cronograma e, por motivos óbvios, a idéia do cronograma não é atrasar. Se o cronograma da vez está apto a responder por 100 horas de itens, é mais fácil incluir 4 itens de 25 horas com testes, refatorações e correções de imprevistos inclusos na estimativa, do que incluir 5 itens de 20 horas, sendo necessário atrasar o cronograma ou pior, remover um item do mesmo para entregar.

Mas, se mesmo assim, esta estimativa imprevista sobrar? Há tanta coisa que você pode fazer se ficar idle, como: testes, melhorias no código, automatizar processos, etc. Mas isso já é assunto para outro post.

1 Response to "Estimando imprevistos em ciclos ágeis"

bacana o post, muitos analistas / gerentes deveriam ler

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


  • Adolfo: Muito bom este post. Acho que tudo isso pode ser resumido em uma única palavra: humildade (isso não significa não defender seu ponto de vista).
  • Adolfo: Olá Robson, Alguns modelos até consegui identificar em alguns projetos que já trabalhei... Com algumas coisas eu concordo e outras não... Q
  • milah: Eu tenho um Amazon L71. Até 2 meses atrás não tive problemas com ele. Já troquei a placa de lan dele, por uma que capta melhor wi-fi. Só que ago
%d blogueiros gostam disto: